ONGs são excluídas de medidas do Banco Central, colocando milhões de empregos em risco

O Banco Central do Brasil lançou medidas para apoiar pequenas e médias empresas a manter a folha de pagamento durante o período da crise causada pela COVID-19, e deixou de fora as 780 mil ONGs brasileiras.

Do mesmo jeito que muitas empresas estão sem poder gerar receita, em razão da crise, todas as ONGs estão sem poder gerar receita por meio de atividades presenciais, causando um grande impacto no país inteiro que pode afetar até 2 milhões de empregos.

As ONGs, ao contrário das empresas, não têm fins lucrativos, e atuam para gerar impacto social. Sem receita por causa da COVID-19 as atividades filantrópicas podem ser paralisadas em todo o país. Além de desemprego isso significa grande pressão social, de um setor que atua por fazer o Brasil menos desigual.

A ABCR está aguardando resposta do Banco Central à nossa solicitação de inclusão das organizações da sociedade civil como beneficiárias das medidas, garantindo a manutenção de empregos em todo o país.

Repercutindo a notícia, o blog Radar, da revista Veja, postou nota que menciona a nossa mobilização, disponível em https://veja.abril.com.br/blog/radar/ongs-dizem-que-foram-esquecidas-pelo-governo-nas-medidas-contra-a-crise/ (acesso restrito a assinantes ou via leitor de feed).

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedin