Declaração de Arequipa sobre GAFI e GAFILAT

Em dezembro do ano passado a ABCR participou como representante brasileira, junto com a Conectas, de em um encontro em Arequipa, no Peru, que reuniu representantes da sociedade civil de toda a América Latina para debater a Recomendação 8 do Grupo de Ação Financeira Internacional (ou FATF, em inglês). Como resultado dessa reunião foi publicada uma declaração conjunta, que assinamos e tornamos pública, em sua versão em português.

Declaração dos membros da Global NPO Coalition on FATF, membros do Grupo Central de Especialistas para o GAFI e representantes de redes de organizações da sociedade civil na América Latina sobre a Recomendação 8 do GAFI

Membros da Global NPO Coalition on FATF, membros do Grupo Central de Especialistas para o GAFI e organizações da sociedade civil (OSCs/ONGs) parceiras na América Latina, nos encontramos entre 2 e 5 de dezembro de 2019 para combinar nossos esforços e compromissos na promoção da correta implementação da Recomendação 8. Nossa agenda de debates abordou a troca de experiências sobre como essa Recomendação está sendo implementada em nossos respectivos países, a partir de uma perspectiva enriquecido por contribuições de especialistas da sociedade civil. O intercâmbio entre os participantes produziu dados sobre as inúmeras dificuldades que as organizações da sociedade civil enfrentam no desenvolvimento de suas atividades derivadas, em parte, da implementação incorreta da Recomendação 8 pelos governos. Portanto, durante a reunião, focamos em expandir nosso conhecimento e fortalecer nossas capacidades com o objetivo firme de nos consolidar como parte preparada e comprometida para fornecer estratégias e soluções que protejam o setor sem fins lucrativos contra possíveis abusos.

Celebramos o compromisso da GAFILAT em manter um diálogo estreito e construtivo com nossa rede de parceiros na América Latina. Acreditamos que o aumento das instâncias de troca e ações conjuntas permitirá a geração da confiança necessária para colaborar na adoção de uma abordagem focada, conforme estabelecido na Nota Interpretativa da Recomendação 8. Representantes de redes e organizações sem fins lucrativos reunidas em Arequipa compartilhamos com as autoridades do GAFILAT os principais problemas identificados e reafirmamos nosso compromisso de promover a discussão de propostas que resultem em curto e médio prazo em um ambiente cívico mais propício para o desenvolvimento das atividades de nossas organizações.

Os problemas identificados e compartilhados com o GAFILAT são:

1. As regras aplicáveis ​​às organizações sem da sociedade civil nos 11 países nomeados nesta declaração são generalistas, sem uma abordagem baseada no risco e não oferecem tratamento diferenciado a atividades lucrativas e as sem fins lucrativos. Em vários países da região, os OSCs/ONGs, assim como os cassinos, instituições financeiras e outras entidades envolvidas em vários tipos de atividades lucrativas, são obrigados a relatar transações suspeitas e, em outros países, a manter sistemas de gerenciamento e prevenção de riscos como se fossem organizações com fins lucrativos. Esses requisitos resultam em uma carga administrativa onerosa para as organizações da sociedade civil, que vai além do que o padrão internacional estabelece e limita sua capacidade de cumprir com sua missão filantrópica. Além disso, as organizações da sociedade civil podem estar sujeitas a sanções desproporcionais, como cancelamento do status legal devido a erros técnicos. Da mesma forma, sabemos que as organizações da sociedade civil de outros países da região que não participaram dessa reunião são afetadas pelo mesmo problema.

2. Há uma falta de aproximação sustentada entre o setor de organizações sem fins lucrativos e os governos dos países membros, que não facilitaram a participação de organizações sem fins lucrativos nos processos de avaliação do setor de risco da FT ou nas avaliações mútuas. Algumas experiências de iniciativas de diálogo e aproximação do setor com entidades governamentais foram compartilhadas. O notável é que, em quase todos os casos, esses diálogos foram gerados pelo setor de organizações sem fins lucrativos, como, por exemplo, na Argentina, El Salvador e Honduras.

3. Os Estados membros não estão produzindo estudos, diretrizes ou capacitação para ajudar o setor a entender o risco de financiamento do terrorismo e identificar conjuntamente medidas mitigadoras para enfrentá-lo. Foram compartilhadas experiências de treinamento para o setor promovido pelas organizações da sociedade civil com o apoio da cooperação internacional, como Argentina, El Salvador, Honduras, México, Peru e Paraguai, entre outros.

4. As instituições financeiras gerenciam seus relacionamentos com as OSCs como se fossem um setor de alto risco para lavagem de dinheiro e financiamento do terrorismo, resultando em graus variados de exclusão financeira progressiva das OSCs em todos os países da região. Na ausência de uma base de evidências resultante de avaliações de risco do setor conduzidas pelos governos, os bancos estão exigindo a entrega de informações e documentação de forma repetitiva e onerosa, resultando em atrasos na realização de transações financeiras, rejeições na abertura de contas e no fechamento de contas existentes – geralmente sem nenhuma explicação. Foram compartilhados casos de organizações sem fins lucrativos que foram forçados a usar canais não regulamentados ou envolver terceiros para receber financiamento para realizar suas atividades legítimas. Isso está impedindo a captação de recursos e afetando negativamente o relacionamento das organizações com doadores e beneficiários, limitando seu trabalho legítimo e o gozo do direito à liberdade de associação, de acordo com os tratados internacionais. As OSCs não têm um canal para recorrer ao governo para resolver esses problemas. De acordo com nossa experiência, as políticas governamentais para promover a inclusão financeira não tratam das restrições que afetam as organizações sem fins lucrativos.

Reafirmamos nosso compromisso com a implementação da Recomendação 8, alinhada com a Recomendação 1 e a com a abordagem baseada no risco, mantendo consistência com as obrigações dos países em relação à liberdade de associação, reunião, expressão, religião ou crença, e com o Direitos Humanos Internacionais e propomos as seguintes iniciativas para encontrar soluções:

Reafirmamos nosso compromisso com a implementação da Recomendação 8, de acordo com a Recomendação 1 e a abordagem baseada em risco, mantendo consistência com as obrigações dos países em relação à liberdade de associação, reunião, expressão, religião ou crença, e com o Direito Internacional Humanitário e propomos as seguintes iniciativas para encontrar soluções:

1. Promover espaços para fortalecer as capacidades técnicas dos representantes de organizações da sociedade civil, funcionários do governo e instituições financeiras para a correta implementação da Recomendação 8.

2. Promover o envolvimento de organizações da sociedade civil nos processos de avaliação de risco nacional de abuso por lavagem de dinheiro ou financiamento do terrorismo , avaliação de risco setorial, avaliações mútuas, bem como em revisões e ajustes regulatórios, se aplicável.

3. Documentar casos de boas práticas de inclusão do setor das organizações da sociedade civil em diálogos com funcionários públicos e representantes do setor financeiro para melhorar a compreensão de todos os riscos que podem afetar um segmento do setor.

4. Sistematizar e disseminar experiências para identificar medidas mitigadoras proporcionais com base no nível de risco, a exemplo das experiências das redes de organizações na República Dominicana, México e Argentina.

5. Instar as agências reguladoras, COAF e as unidades de pesquisa financeira (UIFs) e os Bancos Centrais a melhorarem os níveis de inclusão financeira das organizações da sociedade civil, reconhecendo a importância vital da comunidade das organizações na prestação de serviços socio ambientais a populações vulneráveis de a região.

6. Contribuir para a elaboração de uma pesquisa para o mapeamento dos riscos do financiamento do terrorismo no setor de organizações da sociedade civil, coleta de dados, discussão dos resultados e disseminação dos mesmos e assistência técnica aos países da região.

Declaração assinada pelas organizações de 11 países da América Latina, reunidas em Arequipa, de 02 a 05 de dezembro. A ABCR é signatária do documento.

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedin